Birra

Uma mãe me perguntou o que fazer quando sua criança faz birra. Ela estava falando daquelas birras escandalosas, de cair no chão e espernear.

Antes de responder, procurei entender como isso acontecia, e comecei perguntando o que ela faz diante da birra da criança, ao que ela me respondeu: dou uma bronca, bato e quando não vejo outro jeito cedo aos gostos da criança.

Elaborei com ela o que cada ato dela significava para a criança.

No primeiro e segundo caso, diante de uma frustração não contida (não ter o que quer), ou melhor, digerida pela criança, por falta de repertorio ou habilidades para entender e controlar suas angustias a criança recebe da mãe uma segunda tensão, que seria a bronca ou a surra. Isso tornaria mais difícil ainda a criança suportar suas angustias e frustrações e diante disso a criança teria duas saídas: se vê que tem espaço procura colocar para fora da maneira como sabe toda a angustia que sente; se não,então se deprime e recalca todos seus desejos.

Temos que ter claro que a criança não aprendeu pensar, digerir ou mesmo dar uma saída socialmente desejada a toda frustração que sofre. Ela aprende isso conversando ou imitando os adultos.

Quando diante da frustração de não poder comer algo que ela adora, e muitas vezes inclusive estando com fome, ela não é capaz de compreender que se tem horário para comer, que existe custo e que dinheiro não dá em arvore, que certas coisas são indesejáveis certas horas do dia(isso nem eu entendo) etc. ... sobra somente seu sentimento e rédea nenhuma para controlá-lo.

Quando os adultos se vêem diante de algo que querem e não podem ter, espera-se que ele primeiro reconheça suas vontades, depois que seja capaz de direcionar sua frustração e angustia através do pensamento para uma atitude produtiva e socialmente aceita. Todo esse processo, embora automático não é tão visível para a criança e ela não sabe a priori como levá-lo a cabo se não tem alguém para lhe ensinar.

Assim conversar com a criança, iniciando-se a conversa pelo reconhecimento dos sentimentos da criança é um bom caminho, não para conter naquele momento a crise, mas para criar uma estrutura e um repertorio que a médio e longo prazo impeçam a criança de repetir a birra.

Já o terceiro proceder da mãe, revela a criança que além de poder conseguir tudo que quer através da birra, que a mãe mente, quando compra após dizer que não tinha dinheiro, que deixa comer dizendo que iria fazer mal e assim por diante.

Por final indiquei a mãe que reservasse pelo menos meia hora por dia para conversar com a criança. Contudo ela me respondeu que isso não seria possível, visto durante semana quando ela chega em casa vindo do trabalho seu filho já está dormindo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases do Livro: Na Natureza Selvagem

MULTI, INTER E TRANSPROFISSIONAL

Surdez e Déficit de Atenção