Centro de tratamento para o Crack e a Assistência social.



Durante a campanha eleitoral vi algumas ideias sobre a criação de um centro de tratamento para o Crack. Fiquei imaginando quem a gente iria colocar lá. Colorar-se-iam lá dentro essa sociedade doente em que vivemos que produz a necessidade do prazer e da alienação ou se colocarão lá dentro as famílias disfuncionais (não estou dizendo que existe um padrão de família: pode ser de dois pais, de duas mães, de tios ou de avós, digo funcional considerando que ela cumpra a sua função de oferecer o necessário para o cuidado e o desenvolvimento das pessoas), os abusadores, ou ainda se colocaríamos nesse centro de tratamento a fome, o desemprego ou a falta de moradia para lá se tratar.

É fácil, embora caro e ineficiente isolar o sujeito que pode estar sendo vitima ou sintoma do problema, mesmo que em algum momento esse problema tenha sido gerado por sua escolha. Contudo é mais difícil, embora mais barato e eficiente cuidar das pessoas respeitando o seu jeito de ser, sua cultura, território, integridade e escolhas. É também mais difícil de entender porque investir em uma rede complexa pode dar conta da sujeira que uma vassoura rapidamente pode varrer para debaixo do tapete.

Não quero dizer que o Crack seja somente um problema social, é também de segurança pública, quando essa se foca nos verdadeiros traficantes e produtores de drogas e não nos usuários que acabam muitas vezes pela fissura fazendo pequenos tráficos, mas é de Saúde porque a droga tem efeitos e prejuízos fisiológicos importantes, quando a política pública de saúde respeita os preceitos de universalidade, integridade e territoriedade do SUS, de educação, que deve seguir os preceitos da LDB e ser verdadeiramente INCLUSIVA e principalmente da Assistência Social.

Quando digo a Assistência, não estou querendo incluir nela a responsabilidade de curar o Crack, muito menos incluir um serviço diferente do que está em seu cardápio de serviços que devem ser oferecidos, mas a responsabilidade de fazer a sua parte tal como preconiza a Política Nacional de Assistencial Social e o Sistema Único de Assistência.

Damos mais importância para a segurança, que gasta boa parte de seu contingente prendendo pessoas que precisam de saúde, para a saúde que gasta muito de suas vagas para remediar problemas sociais e não pensamos em cuidar na pessoa lá no território tal como é papel dos Centros de Referencia da Assistência Social fazer, quando ajudam as pessoas a acessarem de forma adequada seus direitos a se organizarem no cumprimento de seus deveres etc.  

Por conta disso os serviços da assistência estão sucateados, executados por ONGs que pagam para trabalhar e que em suas dificuldades financeiras não podem pagar o justo para os profissionais.

Assim de que adianta internar uma pessoa se voltando para casa ela encontrar a fome, a violação de direito, o caos social, se ela terá dificuldade de se colocar na sociedade, estabelecer relações saudáveis com a comunidade e atribuir um sentido e prazer para sua vida que  valha mais a pena neste contexto que ser um traficante ou um drogado.

Comentários

  1. Olá Tudo bem. Sou Zé Barto e vim apresentar o livro do meu amigo escritor Ulisses Sebrian. O livro é um suspense policial emocionante. Chame-se o Que rezes a vida. Basta dar um click no link para ler.. https://www.clubedeautores.com.br/book/140578--Que_reze_a_vida. Ou entre no blog do Ulisses Sebrian http://truquedevida.blogspot.com.br/ e na a barra lateral tem a capa do livro só dar um click. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Qualitу artiсlеs or reviеws іs the κeу to attгact the
    ѵieωers to visit the webѕite, that's what this web site is providing.

    Have a look at my site Read More

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Frases do Livro: Na Natureza Selvagem

MULTI, INTER E TRANSPROFISSIONAL

Surdez e Déficit de Atenção